7 Dicas de como Desintoxicar o Organismo Sem Sacrifícios

Uma boa dica para desinchar, se livrar do mal-estar e desintoxicar o organismo é voltar a sua rotina sem inventar grandes sacrifícios.
Veja como é fácil:

1- Nunca faça dietas radicais e restritivas após as festas ou exageros, não é isso que vai te ajudar! É importante manter o consumo adequado de carboidrato, proteína e gorduras, além das vitaminas e minerais. Fique atento a qualidade dos alimentos ingeridos;

2- Deve se beber bastante água durante esta fase de desintoxicação (3 a 4 semanas), pois a HIDRATAÇÃO é fundamental para a desintoxicação. Após este período, volte à recomendação de 2 litros por dia;

3- Prefira as frutas, verduras e hortaliças orgânicas, sem agrotóxicos, para não sobrecarregar o organismo ainda mais com toxinas;

4- Evite o consumo de carnes vermelhas, que contêm muita gordura saturada e substâncias tóxicas – responsáveis por acidificar o sangue e prejudicar o processo de desintoxicação. Coma mais peixes, que concentram ômega 3, gordura poli-insaturada com propriedades anti-inflamatórias;

5- O Azeite de Oliva é a melhor opção dentre os óleos vegetais, por ser rico nos ácidos graxos ômega 6 e 9, anti-inflamatório e antioxidante;

6- É indicada a suplementação de fibras e probióticos que atuam no regulamento intestinal, consequentemente, favorecendo uma maior eliminação de toxinas;

7- Suchá é uma mescla para quem não gosta de tomar chá puro, além de ser refrescante para o verão. Têm efeito diurético, ou seja, ajudam na desintoxicação do organismo e diminuem a retenção de líquidos.

Diabetes e bebida alcoólica: o que devo saber?

O álcool é processado em nosso corpo de uma forma muito semelhante como a gordura é processada, fornecendo quase a mesma quantidade de calorias que a gordura. 

Portanto, pessoas com diabetes ao consumir bebidas alcoólicas podem fazer com que o seu açúcar no sangue suba.  Se você optar por ingerir bebidas alcoólicas, só beba ocasionalmente e somente quando o nível de açúcar em seu sangue estiver bem controlado. Se você estiver em dúvida se o consumo de álcool é seguro para você, verifique com seu médico.
Efeitos do álcool sobre Diabetes

Aqui estão algumas maneiras de como o álcool pode afetar seu diabetes:

Enquanto quantidades moderadas de álcool podem levar a um aumento do açúcar no sangue,o excesso de álcool pode realmente diminuir o seu nível de açúcar no sangue – às vezes causando a sua queda em níveis perigosos – Hipoglicemia severa.

Cerveja e vinho doce contêm carboidratos e podem elevar o açúcar no sangue.

O álcool estimula o apetite, o que pode fazer com que você a coma demais e pode afetando sua glicemia.

O álcool pode interferir nos efeitos dos medicamentos antidiabéticos orais ou insulina.

O álcool pode aumentar os níveis de triglicérideos.

O álcool pode aumentar a pressão arterial.

O que fazer e o que não fazer com relação ao consumo de bebidas alcoólicas?

Pessoas com diabetes devem seguir estas diretrizes para consumir de álcool:

Não beba mais do que duas doses de álcool em um período de um dia.(Exemplo: uma dose = 150 ml de vinho ou 50 ml de destilado ou 300 ml de cerveja.)

Ao beber álcool se alimente.

Beba devagar.

Evite drinks “açucarados” , vinhos doces ou licores.

Misture bebidas alcoólicas com água ou refrigerantes diet.

Café Verde: Eficaz no controle da Diabetes e Obesidade

O grão, ainda verde, é mais potente que o café comum e tem jeito certo de ser consumido para usufruir de seus benefícios: Favorece o controle glicêmico, ajuda na “queima” de gorduras e no emagrecimento, além de dar mias disposição!
O que é o Café Verde?

Consumido com frequência no Brasil, o  café preto comum, é feito a partir de grãos torrados. 

Os grãos de café, antes de passarem pelas altas temperaturas e serem torrados,  não apresentavam a coloração amarronzada tão conhecida por nós,na verdade, eram grãos verdes. Portanto, o café verde nada mais é do que os grãos frescos que não foram submetidos a esse processo de queima: sem passar pela torra, o café tem menos aroma e sabor diferente, podendo ser até mais amargo.

Resumindo, o café verde não é torrado como o café preto comum e possui duas vezes mais a quantidade de cafeína.

Café Verde e seus Benefícios

Por ter duas vezes mais cafeína, o grão de café verde é mais potente que o grão torrado, neste caso, essa propriedade faz com que ele entre no grupo dos alimentos termogênicos e emagrecedores, também de maneira mais efetiva.

A cafeína favorece a perda de peso, acelerando o metabolismo, promove a oxidação de gorduras corporais, além de facilitar a sua eliminação.  A melhora da disposição vem pela característica de inibir as adenosinas, substâncias responsáveis por induzir o sono.

Possui também uma alta quantidade de antioxidantes, que limpam as células, combatem os radicais livres e fazem o organismo funcionar melhor.

A composição do grão

Na sua composição, contém de 0,06% a 0,32% de teobromina, teofilina, taninos e flavonoides… Tem ainda uma média de 15% de proteína, além de aminoácidos como ácido glutâmico, ácido aspártico e leucina.

Diabetes e Café Verde

No café verde há também duas vezes mais ácido clorogênico, presente em uma quantidade que varia de 5% a 10%. Este ácido diminui a absorção de glicose no intestino, inibindo assim a enzima responsável pela liberação de açúcares do fígado para a corrente sanguínea, sendo assim,  podemos dizer que o café verde combate a Diabetes e favorece seu controle.

Como Consumir?

Existem algumas formas de encontrar o produto: a mais comum é a cápsulas de café verde.

Além disso, ele não deve ser um suplemento, mas sim um alimento funcional. Por isso, o jeito certo é optar pelas versões em pó ou solúvel, encontradas em lojas especializadas.

Indicação

Para conquistar os benefícios é consumir 200 mg diariamente, dividindo em duas vezes ao dia: pela manhã e à tarde, já que à noite, pode causar dificuldades para dormir.

Contraindicação

O uso é contraindicado para pessoas com hipertensão, tendência ao nervosismo, hipertireoidismo, gastrite crônica, úlceras gastroduodenais e problemas hepáticos e reumáticos.

Gostou do Artigo? 

6 Erros que comprometem o controle do Diabetes

A vida é feita de escolhas e quando se tem diabetes, devemos ter uma vigilância constante para manter o seu nível de glicose no sangue sob controle. 
Manter-se saudável também significa reconhecer algumas armadilhas comuns, muitas das quais são produto de maus hábitos adquiridos ao longo de muitos anos. 

Veja abaixo 6 erros que você deve aprender a evitar.

Erro # 1: Não ter o controle de sua condição em suas mãos

Você é o único responsável, por isto o seu trabalho é monitorar sua dieta , sua atividade física e tomar a sua medicação no horário prescrito pelo seu médico.

Entender como funciona o diabetes irá ajudá-lo a tomar melhores decisões sobre como monitorá-lo e gerenciá-lo.

Participar de grupos de apoio vai te oferecer a oportunidade de ter informações essenciais, além de ser um lugar que te permiti conhecer e conversar com outras  pessoas que têm os mesmos desafios diários que os seus.

Erro # 2: Esperar muito resultado em pouco tempo

Um dos maiores obstáculos em controlar o açúcar no sangue está em aderir novos hábitos alimentares e de atividade física para o longo prazo.

A maioria das pessoas que receberam um diagnóstico de Diabetes Tipo 2, esperam que algo mágico aconteça de imediato, ao adotar um novo estilo de vida. 

Mas se você levou uma ou duas décadas para chegar onde chegou com seu estilo de vida desregrado, acredite, vai demorar um tempo para que você alcance resultado como por exemplo preder de 5 a 10% de seu peso inicial.

Esperar uma mudança brusca de imediato é um erro. 
Quando se trata de atividade física, dar pequenos passos, é fundamental. Se você fizer mais do que você pode tolerar, você pode se machucar. Portanto, comece devagar e transforme isto em hábito.

Certifique-se de conversar com seu médico antes de iniciar um novo programa de atividade física, especialmente se você é sedentário. Ele vai te ajudar a definir metas realistas e planejar uma rotina segura e eficaz.

Erro # 3: Você não esta sozinho

Um erro que muitas pessoas cometem quando iniciam o tratamento para controle do Diabetes, é tentar iniciar sem a ajuda e esconder sua condição de outras pessoas.

Conte com o apoio de sua família e seus amigos. Não hesite em pedir a um ente querido para ajudá-lo a manter a sua programação de medicação, uma dieta saudável ou até mesmo para manter sua rotina de atividade física.

As pessoas que te amam são sua maior torcida. Conte com elas!

Erro # 4: Negligenciar outros problemas

Muitas pessoas estão passando por momentos de depressão e estresse , além de Diabetes.

Pessoas com diabetes tem duas vezes mais probabilidade de ficarem deprimidas, e estima-se que 1 em cada 3 pessoas com diabetes têm sintomas de depressão. 

A letargia comum a depressão pode ser tão desanimadora, que você pode desistir de seus esforços para cuidar de seu diabetes. Só que isso pode piorar seu diabetes, podendo também intensificar a sua depressão, criando um ciclo vicioso.

Depressão e estresse também podem ter efeitos negativos sobre os níveis de açúcar no sangue. Estresse constante pode aumentar os hormônios que dificultam a capacidade da insulina em desempenhar seu trabalho. 

Qualquer atitude sua para reduzir o stress irá melhorar o seu nível de açúcar no sangue.

A boa notícia: Atividade física ajuda a aliviar o stress, além de ajudar a controlar os níveis de açúcar no sangue.

Erro # 5: Incompreensão e abusar dos medicamentos

O maior erro é pensar que o poder dos medicamentos é maior que os efeitos da atividade física e uma refeição balanceada. 

Em muitos casos, o diabetes tipo 2 pode ser controlada por uma combinação de uma dieta e exercício físico regular e saudável, sem a necessidade de medicação. Mas para muitas pessoas, a medicação pode ser útil também.

Entre aqueles que fazem uso de medicações, é surpreendente como muitas pessoas esquecem algumas doses diárias.

Escuto muito também as pessoas falando que usam medicação e por isso podem se alimentar de maneira NÃO SAUDÁVEL.

Pular ou esquecer uma de suas doses de medicamentos é uma maneira rápida de levar o seu  controle do nível de açúcar no sangue por água abaixo.

Erro # 6: Fazer escolhas alimentares pobres

Quando se trata de alimentos e de Diabetes, o grande erro não é aquela única barra de chocolate que você não pode resistir, mas hábitos alimentares pouco saudáveis persistentes, aquilo que você come de vez em quando é que têm um efeito pior sobre o seu nível de açúcar no sangue.

As pessoas pensam que saíram da rotina somente uma vez, mas não, é um problema constante que afeta os resultados de seu controle.

“O peixe morre pela boca” diz o ditado.

Mantenha um diário de sua dieta para manter o controle do que você está comendo e bebendo, e sempre leia nos rótulos as informações nutricionais para que você saiba o que está no alimento que você está escolhendo.

Não se alimentar em um horários regulares é outro erro comum. Arranje tempo para o café da manhã , e coma refeições regulares durante o dia, para que você não perca o controle e coma em excesso à noite.

 E você? Se identificou com alguns destes erros? Qual deles você comente?

Conte pra mim! 

Beijos

Dra. Priscilla Arruda

Diabetes: Tem cura? Pode ser revertido? 

Sempre me perguntam se diabetes tem cura, se o diabetes tipo 2 pode ser revertido. Vamos lá! 

Curar

1. recuperar a saúde de. “só se detinham para c. os enfermos”

2. debelar, eliminar (doença, ferida etc.). “curaram toda a maleita da região”

Reveter

1.  retornar (à condição inicial, ao ponto de onde se partiu etc.); retroceder, regressar.

Estas perguntas chegam até a mim, pois existem inúmeros anúncios pagos no Google e no Facebook oferecendo tratamentos para “Curar” e “Reverter” o diabetes. 

Existe, também, um tal Dr. Fulano que promete reverter o diabetes em 30 dias. Veja o que diz o parecer emitido pelo CREMEC (Conselho Regional de Medicina do Ceará):

Não há, até o presente momento, reversão ou cura para o Diabetes, e o seu tratamento fundamenta-se em dois pontos: 

1. Modificação do estilo de vida quanto a atividade física e alimentação adequada. 

2. Uso de fármacos de diversas classes terapêuticas, inclusive a insulina, sendo este último o único recurso eficaz para o controle glicêmico do Diabetes Mellitus Tipo 1.

As pessoas com diabetes tipo 2, que mudam seu estilo de vida e conseguem perder peso, vão diminuir a resistência insulínica, podendo até deixar de tomar medicamentos, mas não devem abandonar, de maneira nenhuma, os seus cuidados com o diabetes. 

Se uma pessoa teve o diagnóstico de diabetes e mudou seus hábitos, normalizando as taxas de açúcar em cerca de 3 meses, por exemplo, mesmo assim o seu corpo sentirá os efeitos desta descompensação no futuro, é a chamada memória metabólica do organismo. Dessa forma, mesmo que o paciente diabético esteja com suas taxas de açúcar normais e não esteja tomando nenhum medicamento, os exames de rotina anuais como fundo de olho para avaliar a retina, microalbuminúria para avaliar o rim, controle da pressão e colesterol devem ser feitos. 

Portanto, diabetes tem controle! Não cura! 

Beijos.

Dra. Priscilla Arruda

Diabetes: o que o ovo tem a ver com a insulina?

Mais do que vocês imaginam, porque, assim como o ovo, a insulina é uma proteína que se comporta de maneiras diferentes nas diversidades das condições ambientais a que ela é submetida.
O que acontece com o ovo se batemos a sua clara ou o colocamos sob uma fonte intensa de calor? Ele passa por transformações que alteram sua forma original. O mesmo acontece com a insulina. 

Por isso devemos tomar alguns cuidados, evitando:

– Agitação extrema;

– Alterações de temperatura (frio abaixo de 2 graus ou calor acima de 30graus);

– Exposição excessiva ao ar (frascos em utilização por mais de 28 dias);

As transformações estruturais sofridas pela insulina, nessas situações descritas acima, não são perceptíveis visualmente, como no ovo, mas podem levar ao comprometimento do efeito desejado por ela. Ou seja, ela pode perder a sua função.

Por isso devemos ter um cuidado especial ao armazenar e/ou manipular a insulina.

Cuidados que devemos ter com a insulina

Não guardá-la na porta da geladeira, pois com o abre e fecha da porta, as variações de temperaturas são muito grandes.

Não armazená-la próximo ao congelador da geladeira, evitando assim que ela se congele. Guarde sua insulina nas prateleiras próximas a gaveta de frutas e verduras.

A Insulina que se encontra em uso, pode ser mantida fora da geladeira, desde que a temperatura ambiente não ultrapasse os 30 graus, devendo ser usada em até 28 dias.

Ao transportar o frasco de insulina em caixa de isopor, devemos evitar que ele fique rolado de um lado para o outro.

Quem usa insulina em caneta, deve retirar a agulha a cada uso, evitando assim a entrada de ar, que pode modificar a eficácia da insulina.

Beijos.

Priscilla Arruda

Nervosismo aumenta o diabetes?

O stress pode fazer com que você tenha uma elevação de seus níveis de glicose no sangue. Isso ocorre porque, em momentos de stress, nosso corpo aumenta os níveis de hormônios, entre eles o cortisol, que tem ação hiperglicemiante, ou seja, tem o poder de aumentar os níveis de glicose no sangue.
A liberação hormonal é parte da resposta de luta ou fuga do nosso corpo nos momentos de stress. Sua função é prepará-lo para agir no primeiro sinal de problema. 

O cortisol e outros hormônios liberam uma onda de energia na forma de glicose (açúcar), que o corpo pode usar para lutar ou fugir.

Essa onda de glicose não é problema se a resposta à insulina do seu corpo está funcionando corretamente. Mas para as pessoas com diabetes, tem um aumento da glicose no sangue, porque seu organismo não tem capacidade de transportar a glicose de forma tão eficiente para dentro das células, levando a um acúmulo de açúcar no sangue.

Além desta reação devido aos hormônios liberados nos momentos de stress, temos mais algumas formas de aumentar ainda mais os níveis de glicose no sangue.

As pessoas que estão sob stress podem recorrer à comida como forma de liberação deste stress, fazendo escolhas erradas de alimentos no momento da refeição, certamente podem causar uma elevação significante do açúcar no sangue.

O stress também pode fazer você negligenciar sua saúde. Quando a sua atenção está focada em um mau trabalho ou casamento problemático, você tem menos energia para pensar em tomar a sua insulina ou comer refeições saudáveis.

A condição crônica como o diabetes pode lançá-lo em um ciclo interminável. Você fica estressado e seu nível de açúcar no sangue sobe, reforçando ainda mais o descontrole da glicemia.

Beijos

Priscilla Arruda

Diabéticos Tipo 2: chega ao Brasil o Primeiro Medicamento Semanal para o tratamento do diabetes

Trulicity (nome do novo medicamento) simplifica o tratamento da doença crônica que acomete 1 em cada 11 adultos em todo o mundo. Graças à sua eficácia no controle glicêmico e ação prolongada, a nova terapia injetável reduz de 365 para 52 o total de aplicações no ano.
A Eli Lilly do Brasil é líder global no segmento de diabetes, e traz para o Brasil Trulicity (dulaglutida), o primeiro medicamento injetável de uso semanal indicado para tratamento do diabetes tipo 2 do país. A nova terapia foi especialmente desenvolvida para simplificar o tratamento da doença crônica que acomete cerca de 415 milhões de pessoas em todo o mundo. 

O preço máximo ao consumidor da caixa com duas canetas de Trulicity é de R$ 230 (duzentos e trinta reais). O valor sofre alteração de acordo com o local de comercialização em razão da incidência de imposto estadual (ICMS), mas esse é o preço máximo.

A dulaglutida é uma molécula inovadora, agonista do receptor de GLP-1, hormônio produzido naturalmente pelo organismo, responsável por estimular a secreção da insulina e inibir a liberação do glucagon.

Nos estudos clínicos, a dulaglutida demonstrou uma redução significativa da hemoglobina glicada (HbA1c) – exame que mede o nível médio de glicose no sangue durante dois ou três meses. 

“Trulicity oferece controle eficaz da hiperglicemia (nível elevado de açúcar no sangue) ao reduzir a quantidade de glicose em jejum, antes e depois das refeições. O medicamento estimula o organismo a liberar insulina na presença de altos níveis de glicose, diminuir a concentração de glucagon e atrasar o esvaziamento do estômago”, explica a Gerente Médica da Lilly no Brasil, Janaina de Lana.

O medicamento foi desenvolvido para ter ação prolongada, o que permite a aplicação apenas uma vez por semana, reduzindo a quantidade de injeções de 365 para apenas 52 ao ano. A melhora no controle da glicose começa após a administração da primeira dose e é mantida por uma semana, até a próxima aplicação.

Outra inovação do produto é a caneta aplicadora inteligente, que vem pronta para uso. Basta acioná-la com um clique para que o medicamento seja administrado por meio de uma agulha de pequeno calibre, que não fica visível, e conferir no dispositivo a confirmação da aplicação da dose. 

“No caso de doenças crônicas como o diabetes, a adesão ao tratamento representa um dos principais obstáculos para a obtenção de um bom controle. Cerca de 43% dos pacientes abandonam o tratamento nos primeiros 2 anos, assim, facilitar a adesão ao tratamento procurando oferecer medicamentos de posologia simples e adaptáveis à rotina do paciente é fundamental”, destaca o endocrinologista e Presidente da Comissão de Pesquisa da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM), Dr. Freddy Eliaschewitz.

 Características: 

– agulha de pequeno calibre e não visível que diminui o desconforto da aplicação;

– dose única, sem necessidade de ajuste;

– aplicação ultrarrápida: de 5 a 10 segundos;

– aplicação feita pelo acionamento de um botão em vez da perfuração da pele manualmente com uma agulha;

– mecanismo que permite confirmar a aplicação da dose.

A diminuição de apenas 1% na hemoglobina glicada dos pacientes com diabetes reduz em:

– 21% o número de mortes;

– 37% as complicações microvasculares como retinopatia ou nefropatia;

– 14% a ocorrência de doença cardiovascular;

– 43% as amputações e doenças vasculares;

– 12% a ocorrência de acidente vascular cerebral (AVC).

De acordo com a IDF1, somente em 2015, 130 mil brasileiros morreram em decorrência de complicações do diabetes. Atualmente, 12% do orçamento global para a saúde é gasto no controle do diabetes (USD 673 bilhões), sendo que, no Brasil, o montante soma US$ 22 bilhões. 

Indicações – Trulicity é indicado em monoterapia como um adjuvante à dieta e ao exercício para melhorar o controle da glicemia em adultos com diabetes tipo 2 quando a metformina está contraindicada ou é considerada inadequada por intolerância. O medicamento também é indicado em terapia de associação quando não há controle efetivo da glicemia.

Pode ser combinado com os seguintes redutores de glicose: metformina, metformina associada a sulfonilureia ou tiazolidinediona, e também à insulina prandial (na hora das refeições). Em ambos os casos, o paciente deve manter uma dieta adequada e praticar exercícios físicos.

Freestyle Libre: Saiba mais!

O que é o libre?  

Basicamente é um medidor de glicose que não precisa de tantos furos nos dedos. Você usa um sensor pequeno aplicado na pele do antebraço e o aparelho faz a leitura da glicose sem precisar da gota de sangue. Acesse o site deles para conhecer o produto: https://www.freestylelibre.com.br

Quando será lançado no Brasil? 

Já lançou!

Onde será vendido os sensores? 

A venda será exclusiva pela Drogaria Onofre, e assim que você comprar o seu kit inicial você receberá as informações de como comprar os sensores posteriormente.

Onde e como será vendido? 

Será vendido apenas online via site da Abbott (acima), você precisa se cadastrar. 

Quanto vai custar? 

R$ 599,70 o kit inicial (aparelho + 2 sensores). R$ 239,90 cada sensor, que dura 14 dias.

Crianças podem usar? 

Na Europa o uso do libre foi liberado, no Brasil ainda não.

Você comprar e usar no seu filho? 

Sim. 

A Abbott recomenda em bula? 

Não. Porque, apenas pq não existe um documento que regulamente esse uso em crianças. 

Existem crianças que usam? 

Sim.

Pode entrar na água? 

Sim. Tomar banho e tudo mais. Só foram feitos estudos para mergulhos de até 1 metro de profundidade. Fora isso você vai por sua conta e risco. 

Eu tenho um scaner libre comprado fora do país, vou poder comprar sensores aqui no Brasil? 

Não. Porque, uma coisa é uma coisa, e outra coisa é outra coisa.

 Mas os sensores do brasil funcionam no sensor gringo? 

Sim. 

E porque eu não posso comprar? 

Porque a Abbott adotou uma postura de respeito aos consumidores brasileiros. A compra do kit e dos sensores seguirão uma ordem, uma fila, não vai ser bagunçado sabe? Por exemplo: você vai comprar o kit inicial: um aparelho + 2 sensores, ele vai durar 1 mês. O seu CPF ficará bloqueado para compra de outros kits ou outros sensores enquanto vc tiver insumos para o mês. Quando você for fazer a nova compra, você poderá comprar 2 sensores (1 mês) ou 4 sensores (4 meses), isso vai evitar que “falte” para alguém, enquanto você fica estocando sensor na sua casa como se fosse formiga se preparando pro inverno. A ideia é “vamos todos ser conscientes e ser menos espertinhos. Uso consciente e divisão de produtos para que mais gente possa se beneficiar de tudo.

 Vai ser disponibilizado na rede pública? 

Não. 

É realmente preciso? 
Sim. Nos primeiros 3 dias fica uma bagunça, mas depois ele vai se adaptando e conhecendo seu corpo e fica pergeiti. 

Eu já uso a bomba da roche, que não tem sensor, o libre foi uma boa? 

Ele foi realmente ótimo. Pra quem usa o controle remoto do combo é meio “ruim” pq você não pode inserir o resultado da glicose manualmente, MAS pra mim o benefício de não ter q furar o dedo compensa total ter que fazer a conta de correção de cabeça, mas isso vai de cada um.

Nunca mais preciso furar o dedo? 

Nunca diga nunca. A recomendação é que você fure o dedo sempre que der muito alta e você desconfiar, ou o sensor diga q você está em hipoglicemia mas você não está sentindo nenhum sintoma, ou se você sente o sintoma e o sensor diga que você esteja bem. Nesses casos é recomendado “confirmar” o resultado na ponta de dedo. 

Só diabético tipo 1 pode usar? 

Não! Qualquer tipo de diabetes pode ser monitorada com o FreeStyle Libre. 

Só quem usa bomba pode usar? 

Não! O Free Style não tem conectividade com NENHUMA bomba. Ele serve para “medir a diabetes”. Ele faz a análise da glicose no sangue sem que seja necessário as picadas do dedo, mas ele não manda os dados para a bomba e também NÃO possui NENHUM tipo de alarme para prever altas e baixas.

FreeStyle® Libre: a revolução no monitoramento glicêmico. 

O FreeStyle® Libre, uma nova tecnologia revolucionária de monitoramento de glicose para as pessoas com diabetes. 
É composto de um sensor e um leitor. O sensor é redondo, tem o tamanho de uma moeda de R$ 1 real e é aplicado de forma indolor na parte traseira superior do braço. Este sensor capta os níveis de glicose no sangue por meio de um microfilamento (0,4 milímetro de largura por 5 milímetros de comprimento) que, sob a pele e em contato com o líquido intersticial, mensura a cada minuto a glicose presente na corrente sanguínea. O leitor é escaneado sobre o sensor e mostra o valor da glicose medida.

Para fazer o monitoramento,  o paciente precisa apenas passar o leitor sob a superfície do sensor e a medida da glicose  aparece na tela do aparelho. A leitura pode ser feita mesmo sobre a roupa. 

Cada sensor pode permanecer no braço do paciente por até 14 dias consecutivos, sem que seja necessário trocá-lo. 

Além disso, nenhuma picada no dedo é necessária para a calibração, outro diferencial importante no sistema de monitorização contínua de glicose.

Cada leitura do aparelho sobre o sensor apresenta um resultado de glicose em tempo real, trazendo um histórico das últimas 8 horas e a tendência da glicemia, se está subindo, descendo ou se mantendo estável. 

É muito diferente dos glicosímetros convencionais, que conseguem registrar apenas um retrato estático do nível glicêmico feito no momento da picada. 

As principais características do Sistema Abbott FreeStyle® Libre incluem:

·    Não requer calibração com a ponta de dedo.

·    Sensor resistente à água e descartável, que deve ser usado na parte traseira superior do braço por até 14 dias.

·    As leituras de glicose podem ser feitas várias vezes ao dia, conforme necessário ou desejado.

·    Cada escan do leitor sobre o sensor traz  uma leitura de glicose atual, um  histórico das últimas 8 horas e a tendência do nível de glicose. Estes dados permitem que individuo e os profissionais de saúde  tomem decisões mais assertivas em relação ao tratamento do diabetes.