PARADOXO NUTRICIONAL: O QUE REALMENTE FAZ VOCÊ ENGORDAR?

Existe uma frase muito comum que diz:

Você é o que você come!

Logo se eu como gordura eu sou gordo, correto? ERRADO! Pois é, esse é um exemplo clássico de paradoxo, por mais contraditório que possa parecer, essa declaração aparentemente verdadeira não passa de uma grande confusão que te prende em um pensamento totalmente errado sobre os verdadeiros vilões do emagrecimento e que realmente te fazem engordar!

Um paradoxo é geralmente difícil de ser compreendido e aceito pela maioria logo de primeira. Mas antes de qualquer coisa continue a agradável leitura do prático e descomplicado infográfico e para que você entenda esse paradoxo de uma vez por todas!

paradoxo-nutricional-700

Beijos.

Açúcar

O doce sabor do açúcar! Para alguns, entrar neste assunto pode ter o efeito contrário: do amargo.

É preciso antes de tudo quebrar esta percepção e desconstruir a relação “afetiva”, sobretudo, com o açúcar branco refinado.

Mas, afinal, há opções?

Sim! Seguindo a máxima “moderação sempre”, para auxiliar vocês neste processo de ressignificação alimentar as recomendo:

Inclua
– Açúcar de Coco
– Mascavo
– Demerara
– Stevia

Exclua
– Açúcar branco refinado
– Adoçantes

Por que incluir???

1. Mascavo mantem a maioria das vitaminas e minerais da cana. Inclusive, a quantidade de nutrientes é maior conforme ele for mais escuro.

2. Demerara é rico em vitamina B1, B2, B6, cálcio, magnésio, cobre, fósforo e potássio, mantém seu valor nutricional praticamente intacto, uma vez que não carrega aditivos químicos, igual ao açúcar branco refinado. Embora seja rico em nutrientes, é um produto que engorda, pois carrega mais de 300 calorias a cada 100 gramas.

3. Açúcar de coco é produzido de maneira rústica e sem adição de químicos.

4. Stevia é um dos adoçantes naturais mais utilizados por quem está de dieta, exatamente por não possuir calorias e manter o sabor doce.

Por que suprimir?

O açúcar refinado pode ter um impacto no cérebro, semelhante ao de uma droga, como a cocaína, por seu potencial viciante e estimulante. Seu consumo é considerado fator de risco para problemas cardiovasculares, obesidade e diabetes, uma vez que ele é um produto altamente calórico e sem nenhum valor nutricional. Ele é digerido instantaneamente pelo organismo e os níveis glicêmicos se elevam rapidamente, o que pode ser perigoso por conta do depósito de gordura nas células.

Um dos efeitos nocivos da subida rápida e exagerada da glicose sanguínea é o aumento da secreção de insulina pelas células do pâncreas. Esse hormônio é responsável por jogar a glicose para o interior das células, onde ela será metabolizada para se transformar em energia. Insulina em excesso pode baixar as taxas de glicemia rápido demais, o que abre o apetite e faz com que a pessoa coma novamente. Um ciclo. Além disso, há o risco do desenvolvimento de uma condição chamada resistência à insulina, que pode levar ao diabetes.

Já no caso dos adoçantes, grande parte são artificiais.

A sucralose, obtido por meio de um processo que altera a estrutura molecular do açúcar, obtendo um produto sintético excepcionalmente estável e aproximadamente 600 vezes mais doce que o açúcar. Esta estabilidade torna a sucralose uma substância “não metabolizável” pelo organismo, pois ela não fornece nutrientes e também não afeta o índice glicêmico.

Já o aspartame, apesar de haver pequenos grupos defensores dessa substância, considero nocivo para a saúde. O argumento que esses grupos usam para defende-lo é que desde que ele seja usado em doses adequadas, ele é seguro. Caso não, pode causar problemas. E é aí que está o impasse: como conseguimos calcular de forma exata essa dose, sendo 40mg por kg de peso, aproximadamente? Apesar de existir uma campanha muito forte contra o aspartame, ele ainda está presente em vários dos nossos alimentos, como no chiclete, refrigerante, biscoitos.

 

Bora tentar???

Sal e temperos

Quem disse que para a alimentação ser saudável a comida é insossa, sem graça? É possível sim sabor e qualidade nutricional caminharem juntos quando o assunto é temperar a comida!

Para começar a experimentar novas sensações e modificar seu paladar procure fazer substituições na hora de preparar as refeições.

Inclua
– Sal Marinho
– Sal Rosa
– Temperos e Ervas (caseiros e naturais)

Exclua
– Sal branco refinado
– Temperos prontos em cubos
– (outros condimentos industrializados)

Passamos muito tempo com o paladar acostumado ao salgado proveniente de temperos prontos em cubos e do sal branco refinado. Então, é preciso compreender que há um processo de readequação de nossa percepção em relação ao ato de “salgar a comida”.

O sal em si, quando não refinado, merece prestígio e valor, pois é repleto de nutrientes. Como alternativas ao sal refinado, há o sal marinho, o sal rosa que podem ser excelentes opções, sem excesso.

Mas, qual a questão com o sal refinado?

À partir do momento que ele vira cloreto de sódio no processo de refino, deixou de ser sal. Esse tipo de “sal” que a indústria alimentícia nos fez acreditar por muito tempo – o famoso sal de cozinha/industrial – não nutre, ele apenas salga. Ele é “enriquecido” com aditivos químicos, e para evitar a liquefação e a formação de pedras, ele recebe oxido de cálcio (cal de parede) que favorece também o aparecimento de pedras nos rins e na vesícula biliar devido à sua origem não natural. Além disso, pode contribuir para entupir artérias. O resultado de seu consumo pode ser hipertensão, problemas renais, arritmia e infarto.

Há ainda os temperos prontos, que além de não acrescentam em nada em termos nutricionais, ainda contem uma abusiva quantidade de substâncias químicas, que podem ser nocivas como glutamato monossódico, aromatizantes, corantes e etc. Fora o sódio em excesso, pode levar o organismo a reter líquidos comprometendo a eliminação de toxinas, disfunção renal, alteração na absorção de nutrientes, dor de cabeça e alteração da pressão arterial (aumento).

Como alternativa, procure utilizar ervas e temperos naturais. As ervas são folhas como orégano, salva, alecrim, salvia, manjericão. Os temperos podem ser utilizados com base em sementes, frutas, flores, raízes, e mesmo as ervas. Exemplo: curry, pimenta.

Inclusive, vale tentar cultivar uma horta em casa. Os benefícios de ter uma horta de temperos e ervas em casa vão desde o acesso a um alimento saudável e orgânico, livre de conservantes e outros produtos utilizados pela indústria alimentícia, até um meio de controlar o estresse, por meio do contato com a terra, ainda mais para quem mora em áreas urbanas e apartamentos..

Eu estou tentando começar uma aqui em casa!

Recomendo que experimentem! )

BEBIDAS

Ingerir líquido é essencial para o bom funcionamento de nosso organismo. A água é o número 1 deles, isso é indiscutível.

O desafio consiste na escolha das demais opções. A vasta oferta que há das mais diversas bebidas industrializadas oferecidas no mercado aliada à praticidade que determinados produtos se propõem levaram as pessoas a se tornarem consumidores ávidos de refrigerantes, de sucos decaixinha, de néctares, do leite e tantas outras propostas que há por ai.

Inclua:
– Água
– Água de coco
– Sucos orgânicos, naturais
– Leite de amêndoas e/ou de coco
– Chás (não de caixinhas)

Exclua
– Refrigerantes
– Sucos de caixinha
– Leite

Estas são excelentes opções para saciar a sede e hidratar o organismo sem se render aos industrializados. O seu organismo agradecerá!

Mas o que pode haver de mal na ingestão destas bebidas que justificam a experiência de excluí-las por um período de no mínimo 30 dias?

Os refrigerantes, seja nas versões normal, Diet, Light ou Zero, além de conterem quantidades absurdas de açúcar tem o pH extremamente ácido, algo em torno de 2,2, e para retornar ao equilíbrio corporal do PH, são necessários 30 copos de água alcalina! Além disso, contem corante, conservante e outros subterfúgios para se tornar palatável e nos “reter” fiel a eles.

Da mesma forma sucos/néctares de caixinha também contém grandes quantidades de açúcar e produtos químicos para realçar sabor, cor e preservar por longos períodos o produto. Os néctares, por exemplo, têm 10% de frutas em sua composição. Já os pós para refrescos têm cerca de 1% ou até menos! Ou seja, a quantidade de fruta é insignificante e o valor nutricional nulo!

Em lugar dos embalados, prefira o suco da fruta coado, feito em casa. Mas entenda: deve se tomar com moderação. Num único copo de suco de laranja, por ex., são 6 laranjas! Isso é um excesso no consumo de frutose. A fruta é uma guloseima, uma sobremesa, preparada pela natureza. Prefira comer em lugar de beber.

Sobre o leite, com a proposta de exclusão, observem como o corpo se comporta no período. Considero esta a bebida (e seus derivados) como uma das mais, digamos, “desafiantes” de suprimir da rotina entre seus adeptos. A ideia e experimentar e observar se há redução desconfortos, tais como sensação de inchaço, flatulência, dores abdominais entre outros.

E não se esqueçam, toda segunda-feira terá um post novo sobre esse assunto!
Beijos e deixem a experiência de vocês aqui!

Endometriose

É uma doença que acomete entre 10% a 15% das mulheres em idade reprodutiva.

No que ela consiste? Dentro do útero há um tecido chamado “endométrio”. Com a menstruação ele descama. É neste período menstrual que o endométrio pode se deslocar para trompa, ovário ou alças do intestino. Ou seja, o tecido endometrial cresce fora do útero, podendo provocar um processo inflamatório que, com o tempo, pode impactar a saúde da mulher.

A endometriose está ligada ao ciclo menstrual e os hormônios que fazem a menstruação acontecer, sendo o estrogênio do corpo que alimenta a doença.

Como fatores de risco pode-se considerar:

  • a idade – mulheres de 30 a 40 anos
  • genética (mãe, irmã que apresentaram a doença
  • período menstrual com duração superior a 7 dias ou ciclos menstruais inferiores a 27 dias.

Outros pontos que têm sido estudados referem-se ao fato de a endometriose tem o comportamento de uma Doença Auto-Imune, quando o sistema imunológico do corpo ataca e danifica seu próprio tecido; ou uma doença de imunodeficiência secundária, quando o sistema imunológico é comprometido por fatores externos, tais como vírus, excesso de estrogênios no corpo, quimioterapia, toxinas e poluição.

De acordo com a Associação de Endometriose dos Estados Unidos, pode haver uma relação entre a exposição à dioxina (TCCD) – um subproduto químico tóxico, xenoestrogénos da fabricação de pesticidas e o desenvolvimento da endometriose.

Um grupo de pesquisadores liderado por Stacey Missmer, da Universidade de Harvard, examinou a literatura científica existente para analisar as evidências atuais sobre o risco de doenças crônicas em mulheres com endometriose, tais como hipotireoidismo, fibromialgia, síndrome de fadiga crônica, câncer (ovário, mama e pele melanoma), doenças auto-imunes, asma e doenças cardiovasculares, conforme aponta a Sociedade Europeia de Reprodução Humana e Biologia.

Quero chamar a atenção para as auto-imunes: mulheres com endometriose tem maior risco de desenvolver doenças como lúpus eritematoso sistêmico, síndrome de Sjögren, esclerose múltipla, artrite reumatoide, doenças inflamatórias intestinais (como a doença de Crohn e colite ulcerativa) e doença celíaca.

Considerando que tantas mulheres com endometriose sofrem de outros problemas de saúde graves também, isso indica que a causa “raiz” – digamos assim, é oriunda de um sistema imunológico comprometido .

Com base no comportamento da endometriose de doença autoimune, remover comidas que tenham propriedades inflamatórias e elevar os níveis de vitamina D são medidas que auxiliam no processo de tratamento. No caso de pacientes em estágios avançados, em que há indicativo de remoção cirúrgica do foco da doença, a nutrição adequada auxilia de forma a que a inflamação não retorne.

A endometriose, diferentemente da S.O.P. – que falaremos na segunda-feira, pode ter conexão com alimentos inflamatórios. Enquanto a S.O.P. tem sua origem metabólica, podendo ser ativada por carboidratos, açúcar e farinha refinadas, que contribuem para desregular o ovário.

Embora em muitos casos seja assintomática, a endometriose pode causar dor pélvica ou infertilidade.

Entre os sintomas da endometriose temos:

• Dor antes e durante ciclos menstruais
• Dor durante relações sexuais
• Infertilidade
• Fadiga
• Dor ao fazer xixi durante os períodos
• Outros distúrbios gastrointestinais, como diarreia, constipação, náusea.

Como lidar com a endometriose?

Quando falamos em endometriose é possível compreender que há uma interação complexa nos mecanismos de defesa do organismo da mulher para impedir que ocorra a doença.

E, tendo a endometriose um comportamento de doença autoimune, é benéfico mudar os hábitos de vida, com base numa alimentação isenta de produtos inflamatórios, aliada à prática de atividades físicas, inclusive yoga por exemplo.

Com isso, é possível reestabelecer a fisiologia do organismo.

Assim, quando falamos de sistema imunológico e reforçar suas defesas com base naquilo que consumimos, já nos deve acender o alerta de que excluir os industrializados (com seus corantes, conservantes e etc.), açúcar refinado, farinha branca, refrigerantes, glúten (sim, é um alimento que pode ser inflamatório), gordura hidrogenada ou trans.  Procure consumir vegetais verdes, como o espinafre, alface etc., crucíferos, como repolho, brócolis; sementes de linhaça; legumes; frutas secas e sementes.

Você pode reduzir os sintomas da endometriose com uma alimentação mais regrada, como é o caso da exclusão de alimentos inflamatórios e apostar em folhas, vegetais e frutas (orgânicos), ovos caipiras, peixes marinhos de pequeno porte (Tainha, Robalo, Anchova, Pescada), castanhas e outras nozes, quinoa, arroz integral, lentilha, grão de bico, óleo de coco, azeite de oliva e muita água.

Além disso, nutrientes à base para imunidade, regulação hormonal, controle de cólicas e humor é uma boa opção, portanto invista em alimentos ricos em vitamina B6; Selênio; Zinco; Magnésio; Cálcio; Ômega 3; Vitamina A, C, D2, E e Ferro.

Mudanças no estilo de vida, incluindo o que você come e o quanto de atividade física você pratica, podem ter impacto na menstruação.

Por conta do estrogenismo, que consiste no excesso do estradiol, pode ser indicado como conduta terapêutica a introdução da progesterona isomolecular como forma de reduzir o excesso de estrógeno. Isso porque, por conta da endometriose muitas vezes ocorre de a mulher apresentar déficit de progesterona no organismo.

Mas, como reestabelecer isto?

A progesterona é um hormônio produzido naturalmente no organismo da mulher, que desempenha um papel na manutenção do ciclo menstrual feminino, gravidez e desenvolvimento humano. Durante o ciclo menstrual, o estrogênio estimula o crescimento do endométrio, que é o revestimento interno do útero. Após a ovulação, a progesterona secretada pelos ovários inibe o crescimento do endométrio e estimula a remodelação do tecido.

Como a endometriose é uma condição em que o endométrio cresce em lugares fora do útero, a terapêutica com progesterona tem sido usada para tratar a doença, sendo a progesterona isomolecular– ou seja, que possui a estrutura molecular idêntica à produzida pelo organismo humano, uma boa indicação nestes casos com fins terapêuticos.

Procure seu médico!

Anticoncepcionais

E lá vamos nós para um dos assuntos mais polêmico ultimamente.

‪Embora haja uma mudança na percepção quanto aos riscos do contraceptivo hormonal ao organismo feminino em detrimento de algum possível benefício, ainda há muito a se caminhar neste assunto.

‪Com o uso da pílula, saúde física e mental, ambas, podem ser impactadas. Um estudo publicado no Jama Psychiatry (nov. de 2016) verificou que o uso de contracepção hormonal tem como potencial efeito adverso um diagnóstico de depressão.

‪Há ainda um outro viés. É notório que a pílula, do seu conceito outrora libertador, transformou-se em sinônimo de escravidão para muitas mulheres.

A visão de métodos contraceptivos tem mudado, isso é verdade e, agora, há uma compreensão de que além das mulheres, os parceiros devem compartilhar da responsabilidade. ‪Até porque sabemos que o anticoncepcional está longe de ser o único meio de prevenir uma gravidez, assim como a gestação está bem distante de ser o único motivo que deve levar a cuidados na hora do sexo, afinal há as doenças sexualmente transmissíveis.

‪Entendam que contracepção é um termo empregado para métodos que impeçam a gravidez: pílula é apenas um deles. Há opções de métodos isentos destes hormônios sintéticos como camisinha, DIU.

‪A chamada “pílula anticoncepcional” pode ser considerada uma bomba de hormônios artificiais (sintéticos) femininos.

‪Entre os principais efeitos negativos dá pílula podemos citar:

  • redução da libido (devido à baixa da testosterona)
  • aumento de peso
  • dificuldade em se obter massa magra
  • celulite e flacidez
  • aumento da pressão arterial
  • diabetes gestacional
  • trombose venosa
  • câncer (como de mama ),
  •  risco de formação coágulos que podem levar a doenças degenerativas
  • AVC
  • osteoporose
  • trombose venosa cerebral

‪Alguns estudos também apontam que o uso de anticoncepcional combinado com o tabagismo aumenta em até oito vezes o risco de acidente cardiovascular (AVC), pois o sangue de fumantes é mais propenso a formação de coágulos.

Então sempre converse com seu médico antes de decidir qualquer coisa!

 

 

 

Chocolate

Hoje é sábado, mas, como falar de saúde e qualidade de vida é um exercício diário, quero compartilhar com vocês alguns pontos sobre o chocolate.

Mas, como “segurar a barra” e não exagerar? Se chocolate é um de seus “pontos fracos”, é preciso ter atenção redobrada para não se render a diversidade de produtos oferecidos e exagerar no consumo. Para muitos é preciso evitar, para não descontrolar.

O chocolate pode ser benéfico para a saúde do organismo, mas apenas se consumido com moderação e em sua forma mais “pura”, ou seja, com percentual de cacau em sua composição igual ou superior a 70%.

O fruto usado como matéria-prima para fazer o chocolate, o cacau, possui substâncias antioxidantes (flavonoides) e estimulantes que podem contribuir com a atividade cerebral, bem como auxiliar no controle do humor.

Agora, a questão é que em grande parte, a maioria dos  chocolates, são industrializados e compostos de uma série de ingredientes que podem ser considerados ‘antinutrientes’, como colorantes, conservantes, além de conter grande quantidade de açúcar refinado, leite (geralmente em pó) entre outros produtos que nada tem a oferecer em termos de qualidade nutricional para o organismo.

Os chocolates conhecidos como “brancos”, embora poucos saibam, tabém não são recomendados. Este tipo de variação do produto sequer contem em sua massa o cacau, mas sim, é feito à base de manteiga de cacau, açúcar e leite, ou seja, não têm antioxidantes e ainda são mais calóricos.

Por tudo isso devemos ter muita cautela para não cairmos na tentação!

Banha de porco

Acredito que muitos fiquem desconfiados ao ouvir a palavra “banha” entre os ingredientes de uma refeição, correto?!

‪Antigamente, principalmente na época dos nossos avós, a comida era preparada de um jeito muito especial, com ingredientes que vinham da própria natureza ou da criação de subsistência, ou seja, de uma fonte confiável.

‪A verdade é que mesmo de a banha ser vista como uma grande vilã, ela pode sim fazer muito bem para a saúde desde que consumida da maneira certa e com moderação!

‪Ela pode ser derivada do porco, a mais usual, mas aos que por alguma questão não consomem porco e seus derivados, há opções como a banha de pato e de avestruz, por exemplo. O importante é que ela seja artesanal, direto do produtor, sem ter sido submetida a processos industriais, que integram na fórmula substâncias como nitritos e nitratos.

‪Ao contrário do que se imagina, a banha de porco atinge a temperatura certa para fritar os alimentos muito mais rápido e, por não ter sofrido processo de industrialização, ele não contém o grande número de compostos que são tóxicos a saúde, como radicais livres, que como sabemos, podem causar câncer se consumidos por muito tempo.

‪Pelo que podemos observar o ponto nevrálgico que torna um alimento pobre em valores nutricionais ou com riscos à saúde, é quando este é submetido ao processo industrial.

‪Outro mito que a Indústria nos fez acreditar por muito tempo foi que a banha de porco causa doença cardíaca, o que é um grande engano, visto que a gordura animal é completamente saudável ao organismo.

‪E você?

Depois dessas informações ainda vai ficar refém dos óleos industrializados?!

A escolha é sua!

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Acne e alimentação

A acne é uma dermatose inflamatória e as manifestações desta “doença” aparecem no formato de cravos e espinhas e ocorrem devido ao aumento da secreção sebácea associada ao estreitamento e obstrução da abertura do folículo pilossebáceo (associação do pelo, folículo piloso, e da glândula sebácea que é responsável pela produção do sebo). O aparecimento de cravos pretos ou brancos favorece a proliferação de microorganismos que provocam a inflamação característica das espinhas.

‪No processo de prevenção e combate à acne, tenha em mente que a atenção a alimentação é fundamental. É muito comum as pessoas utilizarem medicamentos sem observarem que o que comem tem impacto na saúde da pele.

É preciso tratar sim as causas: “Que seu alimento seja sua medicina” – como bem declarou Hipócrates, o pai da Medicina.

O uso de anticoncepcionais não é indicado, pelos riscos que conversamos ontem aqui. Também não é recomendado lançar mão de fármacos à base de metilformina se não tiver necessidade. Busque mudanças no seu estilo de vida, a começar pelo alimentar, para não depender de terapêuticas medicamentosas.

‪Excluir comidas pró-inflamatórias, tais como açúcar e farinha refinados, leite. Eles tendem a acidificar o sangue, então essa é uma medida importante para a manutenção e restauração da saúde da pele e do organismo.

‪Há estudos que comprovam que a ação de uma substância encontrada em alimentos como leite, denominada “di-hidrotestosterona” (um produto da testosterona) favorece o surgimento de acnes.

‪Portanto, para os indivíduos que sofrem de acne, excluir o leite e seus derivados da sua rotina alimentar pode auxiliar no tratamento. A lista inclui queijo, manteiga, sorvete, ricota e todas as formas de leite e proteína de soro de leite, inclusive os suplementos.

‪Alimentos ricos em glicose, como chocolate, também favorecem as infecções, ou seja, quando o organismo se depara com picos de açúcar, ele rapidamente coloca a insulina em ação para controlar as alterações, e quando há desregulação hormonal, aparece a acne.

‪Procure transformar a saúde do organismo com uma alimentação que seja mais natural possível! Você verá a diferença!

01 (um)

Se você remover da sua dieta as fontes de carboidratos de alto índice glicêmico como farinhas, inclusive farinhas integrais, açúcar e a maior parte dos alimentos industrializados, certamente sua saúde irá melhorar muito.

Porém se sua meta é emagrecer, então você terá que restringir um pouco mais os carboidratos na sua dieta.

Como orientação geral, a tabela abaixo é bastante útil:

Quantidades-carbos-2

Se você quiser contar a quantidade de carboidratos que estará ingerindo no dia, lembre-se de desconsiderar as fibras. Isso quer dizer que 100 gramas de batata doce, por exemplo, não são 100 gramas de puro carboidrato, certo? Um app como o Fat Secret poderá ajudar nesta tarefa.

Sinta-se livre para contar ou não, isso depende de como você prefere fazer. Eu, por exemplo, nunca contei nada, não quero perder tempo com isso e seria uma obrigação que talvez me fizesse perder a paciência e me impedisse de seguir adiante.