Como escolher o seu adoçante ideal?

Natural ou artificial? Sem calorias ou com calorias? A resposta é: depende!

Alguns fatores podem influenciar na hora de tomar a decisão:

  • Você precisa emagrecer ou já emagreceu e quer manter o peso?
  • Você está treinando para ganhar massa muscular?
  • Você está saudável ou é pré-diabético ou diabético?

Para entender tudo e para facilitar a sua escolha, conheça cada uma das opções!

Sorbitol, Xylitol, Maltitol, Erytritol

Esses adoçantes são alcoóis de açúcar e assim como o açúcar, eles são também carboidratos. São extraídos de plantas e cereais e ocorrem em pequenas quantidades na natureza. Contém poucas calorias e, embora naturais, se consumidos em excesso podem causar inchaço e câimbras. Também causam danos aos dentes como o açúcar comum (nada de deixar a escova de dente de lado hein, hehehe) mas tem um índice glicêmico muito baixo, que não dispara o processo de acúmulo de gordura através da insulina.

Mel

Esta mistura única no planeta de açúcar, enzimas, minerais, vitaminas e aminoácidos é bastante diferente de qualquer outro adoçante natural!

O mel possui uma alta quantidade de frutose (em média 53% da sua composição), que é o açúcar do mel. Uma colher de chá desse adoçante natural contém 4 gramas de carboidrato e seu índice glicêmico é alto e se consumido em excesso eleva os níveis de insulina o que faz com que a gente engorde.

Porém, se usado com moderação, possui muitos benefícios à saúde.

Por curiosidade, listei alguns benefícios para a saúde, além do óbvio:

  • Alivia a tosse tão bem quanto uma substância chamada dextrometorfano usada em remédios.
  • Possui propriedades antibacterianas, antifúngicas e antioxidantes.
  • O mel era comumente usado, até o início do século 20, para combater infecções e herpes. Nos dias de hoje, conforme os pesquisadores descobrem como exatamente o mel ajuda no tratamento de infecções, sua popularidade vem aumentando!
  • Ajuda na cicatrização de úlceras.
  • Diluído em um pouco de água quente, ajuda no combate à caspa seborreica.
  • É um excelente umectante, ótimo para a saúde da pele e dos cabelos. Você pode adicioná-lo ao shampoo, ao condicionador ou ao creme hidratante.

É uma excelente fonte de energia rápida e de “longa duração” para atletas e pode ser usado como pré ou pós treino de acordo com seus objetivos.

Para usufruir de todos esses benefícios, é importante que o mel seja cru, não filtrado e de uma fonte confiável!

Melado de Cana

Assim como o mel, o melado de cana é muito rico em nutrientes mas se consumido em excesso eleva os níveis de insulina. Uma colher de chá tem em média 5 gramas de carboidratos . É uma excelente fonte de vitaminas e minerais.

Veja alguns benefícios do melado de cana:

  • A presença de ferro ajuda no tratamento da anemia.
  • Por ser excelente fonte de cálcio, auxilia na saúde dos ossos, nervos e funcionamento do coração.
  • O magnésio presente no melado auxilia na ativação de mais de 300 enzimas que regulam as funções corporais.
  • O potássio do melado ajuda a ativar enzimas usadas no metabolismo do carboidrato e da proteína. Junto com o cálcio e o magnésio, apóia o funcionamento das contrações musculares.

Este adoçante natural assim como o mel, é muito superior ao açúcar refinado em termos de nutrientes e, desde que usado com moderação, pode ser ótima escolha para quem quer manter o peso ou está treinando para o ganho de massa muscular.

Açúcar de coco

O açúcar de coco é um adoçante natural extraído da seiva da flor do coqueiro. Não contém quantidades significativas de nutrientes mas podemos encontrar ferro, zinco e potássio além de ácidos graxos de cadeia curta, polifenóis e antioxidantes.

O açúcar de coco contém uma fibra chamada inulina que proporciona uma absorção mais lenta da glicose por isso possui um índice glicêmico de 35 enquanto que o do açúcar comum fica próximo de 68. Uma colher de chá desse açúcar contém 4 gramas de carboidratos,  portanto requer moderação no consumo.

Stevia e Taumatina

São adoçantes naturais de baixa ou zero calorias. Não são carboidratos e por isso não elevam a insulina. Assim como os adoçantes artificiais, a Stevia e a Taumatina possuem um gostinho residual. Por tamanho benefício, ou seja, são naturais e adoçam sem engordar um miligrama, vale a pena testar e ver se você se adapta.

Aspartame, Sucralose, Sacarina, Acesulfame K e Ciclamato

O que os adoçantes artificiais tem em comum, além é claro, do fato de serem artificiais?

A incrível capacidade de estimular os receptores do sabor doce na língua.

Por este motivo, pesquisadores acreditam que ao estimular o sabor doce, os adoçantes disparam um circuito cerebral responsável pela área de recompensa do cérebro (assim como o açúcar) mas a falta de calorias interrompe o caminho, fazendo com que seu organismo peça por mais açúcar, disparando assim o desejo por alimentos doces.

Um estudo mostrou que o consumo de açúcar diminui os sinais enviados ao hipotálamo, o regulador de apetite no cérebro. O mesmo não acontece com o aspartame, o que sugere que o cérebro não registra o consumo de adoçantes como um alimento que satisfaz.

Outro argumento contra os adoçantes é que ele encoraja a dependência e o desejo por açúcar. Sabe quando diminuímos o sal e nos acostumamos com a comida menos salgada? Quando, por acaso, voltamos a adicionar um pouco mais de sal nos parece salgado demais o que antes era considerado ok.

Em algumas semanas, podemos treinar nosso paladar e adoçar cada vez menos. Ao contrário, quanto mais doce consumimos os alimentos, ao longo do tempo, mais adoçados precisam ser para nos satisfazer.

Vale o exemplo!

Quer tirar o açúcar do café?

Experimente por 15 dias e você vai perceber que no décimo sexto dia bom, aquele gosto amargo desapereceu. Sim, nosso organismo precisa de 15 dias para readaptar o paladar!

Além destas questões, existe um estudo que comprova que, em apenas 6 dias, o uso da sacarina leva à resistência à glicose, causada pela alteração da flora intestinal, ou seja, piora também a saúde do seu intestino.

O certo e óbvio é que adoçantes artificiais são produtos químicos e como tal devem ser evitados por quem se importa com a saúde.

E se você tem tendência à compulsão, níveis elevados de açúcar no sangue ou algum outro problema de saúde como dores de cabeça constantes, problemas neurológicos ou intestinais EVITE ao máximo o uso dessas substâncias.

Sempre que puder, escolha adoçantes naturais que, embora sejam mais caros, não comprometem seu emagrecimento e nem sua saúde.

Caso opte por um adoçante artificial, tenha em mente que adoçantes são para uso temporário. Aos poucos, vá diminuindo cada vez mais a dose que você está acostumado. Acostumou? Diminua uma gota. Seu paladar vai se adaptando e você terá cada vez menos necessidade de adoçar seus alimentos.

Publicado por

Dra. Priscilla Machado Arruda

Priscilla Machado Arruda Médica | Endocrinologia | Nutrologia Medicina Preventiva e Integrativa. Qualidade de vida. 📪 pri_fmachado@yahoo.com.br I 👻 pricambs 🌍 Tianguá - CE

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s