Lantus e Levemir: Qual é a diferença?

Lantus e Levemir tem muito em comum. Ambas as fórmulas são de insulina basais, o que significa que duram por um longo período de tempo no corpo e atuam como insulina de fundo, como uma alimentação lenta que imita a entrega constante ao organismo de pequena quantidade de insulina produzida por um pâncreas saudável.
Ambos são análogos de insulina, o que significa que as moléculas de insulina são análogas aos da insulina humana com ligeiras diferenças que retardam a sua absorção.

Lantus é uma fórmula clara feita com glargina, uma forma geneticamente modificada de insulina humana, dissolvida em uma solução especial. Levemir é também uma fórmula clara, mas contém detemir dissolvido, uma forma diferente de insulina geneticamente modificada.

A insulina humana é feita de duas cadeias de aminoácidos, designadas por A e B, que tem duas ligações dissulfureto entre eles. Na glargina, um aminoácido foi movido para fora, e dois aminoácidos adicionais foram adicionados a uma extremidade da cadeia B. As modificações tornaram a glargina solúvel a um pH ácido, mas muito menos solúvel em um pH neutro que é encontrado no corpo.

Até se tornar a Lantus, primeiro a glargina é produzida por uma colônia de bactérias E. coli. Em seguida, é purificada e adicionada a uma solução aquosa contendo um pouco de zinco e glicerol; um traço de ácido clorídrico também é adicionado para tornar mais ácido, trazendo o seu pH para cerca de 4. Neste grau de acidez, a glargina se dissolve completamente na solução aquosa, e é por isso que o frasco é claro.

Depois de injetá-lo em seu tecido subcutâneo, a solução ácida é neutralizada pelo seu corpo graças a um pH neutro. Devido a glargina não ser solúvel a um pH neutro, se precipita numa forma não solúvel em gordura subcutânea, onde forma um depósito relativamente insolúvel. A partir dessa piscina, ou depósito de glargina precipitado nos tecidos, pequenas quantidades lentamente se transformam em solução ao longo do tempo e, em seguida, para a corrente sanguínea.

Levemir é feita com a insulina detemir. Determir é um insulina criada por tecnologia de DNA recombinante tal como a glargina, mas é produzida por fermento de padeiro em vez de E.coli. É uma solução límpida que contém, além da insulina detemir, zinco, manitol, outros produtos químicos, e um pouco de ácido clorídrico ou hidróxido de sódio para ajustar o seu pH a neutro. A insulina detemir difere da insulina humana em que um aminoácido foi retirado a partir da extremidade da cadeia B, e um outro ácido foi ligado ao local.

Ao contrário da glargina, detemir não forma um precipitado após a injeção. Em vez disso, a ação do detemir é prorrogada devido a sua forma alterada de manter-se no depósito subcutâneo (local da injeção), por isso é absorvido lentamente. Uma vez que as moléculas de detemir dissociam-se uma das outras, elas prontamente entram na circulação sanguínea, mas elas se associam a albumina.

Mais de 98 por cento de detemir no sangue está ligado à albumina. Com a albumina preso a ela, a insulina não pode funcionar. Então lentamente dissocia-se da albumina que está disponível no corpo durante um período prolongado.

Se Lantus é melhor do que Levemir, ou vice-versa, é discutível. Levemir geralmente é proposto para ser injetado duas vezes ao dia (embora seja aprovado pela FDA para uma ou duas vezes por dia) e Lantus uma vez. Segundo o Dr. Richard Bernstein, no entanto, Lantus também geralmente funciona melhor se for injetada duas vezes ao dia. A natureza ácida do Lantus pode, por vezes, causar ardor no local da injeção, e ambas as fórmulas raramente causam reações alérgicas.

A maioria dos estudos sobre a eficácia do Lantus e Levemir tem comparado ambas às insulinas NPH. NPH é uma suspensão de cristais em uma solução, de modo que precisa ser cuidadosamente agitada antes de usar para distribuir uniformemente os cristais. Alguns estudos não conseguiram demonstrar qualquer diferença entre a Lantus e NPH no que diz respeito à uniformidade de absorção.

Outros estudos têm mostrado que em comparação com Lantus e Levemir, NPH tem uma taxa de absorção variável e um pico mais pronunciado. Durante a noite, especialmente, uma hipoglicemia pode ocorrer se a prática de exercícios ou consumo de álcool coincidir com o pico de insulina NPH.

Em alguns estudos, Levemir tem se demonstrado menos variável, mantendo mais estável ​​o nível de glicose no sangue em comparação com a insulina NPH e Lantus. Comparando com Lantus, quando usado com uma insulina de ação rápida em pacientes com diabetes tipo 1, Levemir apontou para um menor risco de hipoglicemia grave e hipoglicemia noturna, mas o risco de hipoglicemia global foi equivalente. O controle deaçúcar no sangue realizado pelas duas insulinas foi semelhante também

Publicado por

Dra. Priscilla Machado Arruda

Priscilla Machado Arruda Médica | Endocrinologia | Nutrologia Medicina Preventiva e Integrativa. Qualidade de vida. 📪 pri_fmachado@yahoo.com.br I 👻 pricambs 🌍 Tianguá - CE

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s