Um pouco sobre hcG

A obesidade não é só um simples problema de composição corporal e estética. Ela aumenta a concentração de adipócitos brancos produtores de mais de 35 adipocitocinas (substâncias altamente inflamatórias), causando disfunção endotelial, ou seja, alteração dentro dos vasos sanguíneos e estes indivíduos têm risco sério de saúde. Sabemos que em 54% dos casos, a primeira manifestação clínica que esta pessoa apresentará, será a MORTE SÚBITA.

O hCG, sigla para Gonadotrofina Coriônica Humana é o hormônio próprio da gravidez (o único hormônio específico da gravidez). É uma glicoproteína hormonal, produzida na placenta e que chega a níveis de mais de 1 milhão de unidades/ml nas mulher grávida. Este hormônio foi descoberto em 1927 e é produzido em duas sub-unidades: Alfa e Beta.

Algumas de suas funções são manter o corpo lúteo durante o primeiro trimestre da gestação, inibindo a ovulação e menstruação, além de manutenção calórica do feto através da gordura anormal.

Há mais de 60 anos, o pesquisador norte americano Dr. Simeons, estava tratando crianças do sexo masculino, portadoras de uma síndrome que provoca um formato corporal feminino e descida incompleta dos testículos para a bolsa escrotal. Ele percebeu que aquelas crianças tratadas com o hormônio hCG, tinham um resultado também estético/saudável com diminuição de gordura corporal sem flacidez, além de diminuição importante de medidas.

((Saudável porque vocês já compreenderam que a diminuição de adipócitos, diminui a concentração das 35 substâncias inflamatórias secretadas por eles!))

Tendo em vista que ele tem função de segurança ao aporte de glicose para o feto em desenvolvimento, e o faz provocando “queima” de gordura anormal para transformação desta em substrato energético, se na alimentação for regulada uma quantidade de concentração de macronutrientes, o que acontecerá é uma lipólise (quebra de gordura) acelerada e contínua.

tipos9

(((( Ao tentar emagrecer através de dietas ou restrição calórica, o obeso usualmente perde nas fases iniciais exatamente as suas reservas fisiológicas e parte de sua gordura estrutural. E para piorar, antes que consiga tempo para mobilizar a gordura anormal, já se sente tão fraco e faminto que invariavelmente acaba por abandonar qualquer tipo de tratamento. ))))

A evolução (ou involução) humana fez com que muitas mudanças alimentares se tornassem rotina em nossas vidas. E talvez a mudança mais desastrosa foi no aumento expressivo da oferta do mais dispensável dos macronutrientes: Carboidrato.

Pois não há nenhum tipo de carboidrato essencial, portanto haveria vida sem eles que só servem funcionalmente para nos dar energia. E quando não precisamos naquele momento de energia, o que o corpo faz? Estoca TUDO como gordura, não elimina nada infelizmente.

Diferente dos carboidratos, as proteínas são construtoras indispensáveis à vida, são os verdadeiros tijolos da casa e existem aminoácidos (toda proteína é constituída por aminoácidos) denominados essenciais, pois não haveria vida sem eles; as gorduras são também indispensáveis e existem ácidos graxos essenciais, também devido ao fato de serem essenciais à vida. Delas são produzidos os hormônios esteroidais, são obtidas nossas camadas de proteção celular, são obtidas nossas bases para a inflamação e anti-inflamação, entre outras.

Toda vez que o corpo poderia pensar em acionar um hormônio chamado Glucagon, responsável por quebrar gordura e ofertar energia, rapidamente o ser humano estraga com este processo comendo um pãozinho, um biscoito, ou mesmo uma fruta, todos carboidratos com evidente diferença em qualidade.

O que fizemos com nosso corpo foi uma mudança em seu funcionamento total. Não somos ursos e não temos que estocar gordura para utilizar em seus 6 meses de hibernação, mas o que na era paleolítica era o normal, de termos somente os carboidratos que a natureza nos oferecia nas diferentes estações, agora já virou uma verdadeira festa.

A ação do HCG nas doses recomendadas (extremamente baixas, principalmente quando comparamos com as doses produzidas naturalmente durante a gestação) provoca uma queima de gordura e a dieta associada preserva a massa muscular, portanto o emagrecimento é saudável e seguro.

Estudos trazem números animadores homens perdem em média de 15 a 20 Kg, ao passo que mulheres 8 a 15Kg em média após os 40 dias de tratamento, ou a metade disto no caso da opção do protocolo modificado por 20 dias.

Uma das grandes vantagens é que a ação do hCG neste tratamento, mobiliza de 2000 a 3000 calorias por dia de gordura armazenada na corrente sanguínea, que se torna disponível para a demanda metabólica; (é como se uma pessoa corresse 6)Kg/dia)

Com estes nutrientes adicionais na corrente sanguínea, uma pessoa pode permanecer com sucesso em uma dieta de muito baixa caloria sem experimentar fadiga, fraqueza ou fome, sem sofrer com as alterações metabólicas e perda de tecidos saudáveis, os quais ocorre nas dietas de muito baixa caloria habitualmente.

Considerações pontuais sobre o hCG:

O hcG administrado de forma exógena acumula-se no hipotálamo (responsavel pelo controle da fome, controle da taxa e velocidade com que o corpo queima e armazena gordura e produção e controle de hormônios-chave que são responsáveis pela manutenção fisiológica do peso corporal).

Estas pequenas quantidades mimetizam um estado gestacional. Restringindo a dieta para poucas calorias, o metabolismo passa a mobilizar gordura do adipócito branco para ser quebrada e transformada em energia para sustentar a demanda energética da gravidez.

Traduzindo, o corpo será enganado provisoriamente como se estivesse se preparando para ter a responsabilidade de gerar energia suficiente para o possível desenvolvimento de um feto. Mas a gestação não ocorrerá e quem utilizará toda esta energia gerada é a própria pessoa. E reparem que isto acontece muito bem tanto com homens, como com mulheres, ou seja, na realidade o corpo não sabe ao certo o que é gravidez, mas recebe uma informação de que é preciso gerar energia da forma mais fisiológica e pura.

É sem dúvida uma boa opção, desde que realizada por profissionais responsáveis e devidamente treinados, em casos determinados, bem avaliados criteriosamente e em pacientes que estão dispostos a aderir com mudança de hábitos de vida.

Publicado por

Dra. Priscilla Machado Arruda

Priscilla Machado Arruda Médica | Endocrinologia | Nutrologia Medicina Preventiva e Integrativa. Qualidade de vida. 📪 pri_fmachado@yahoo.com.br I 👻 pricambs 🌍 Tianguá - CE

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s